Publicou Há 1 semana

Tortura é crime! Sessão na Assembléia Legislativa: Comissão da verdade; os militares de esquerda presos, torturados e mortos durante a Ditadura. A resistência de vocês nos orgulha, nos ensina, nos dá esperanças. Obrigado por formarem e constituírem a resistência.
A esquerda de ontem e a esquerda de hoje, juntas, pela justiça e pela VERDADE. #50AnosDoGolpe

Publicou Há 2 meses

Conhecer, Conhecimento.

Nada que guie, ampare, desloque ou aplaque. A dor vem, e a dor vai. O sentimento do mundo, de Drummond, é um exímio gigante em meus pensamentos. Pois muitas vezes, ele quem me leva pelos dias afora, e nada que eu faça pode aplacar tais questionamentos, que são constantemente levantados.
O que fazer com tanta indignação, fraternidade, raiva e desejo de ser solidário? Não, a pergunta é retórica, afinal, esse texto é um enorme devaneio, que tende ao infinito se levado a sério for. Não procure sentido, não procure bibliografia. A filosofia é a doutrina mais antiga, e dela foram criadas tantos dogmas, doutrinas, contestações, ideias, concepções, et cetera, que não podemos mais contar. Uma coisa sempre leva à outra, tornando o conhecimento tão inacreditavelmente difícil, que há uma inversão. Não existe mais um consentimento sobre o que é esta palavra, pois cada um a enxerga de forma pessoal e dificilmente combatível. O o conhecimento está distante, sim, e a partir disso eu pergunto: como tantas pessoas afirmam tê-lo? E como ele é tão unanimemente exigido, a todo momento?
Cada etapa vencida, cada fase atravessada, a exigência cresce, e não há como retardar isso. A distância entre o indivíduo e o conhecer recebeu uma névoa. Um véu de tempo e espaço, que torna tudo simples demais, aos vistosos olhos daqueles que veem, mas não enxergam. Um portal tão imponente, que inunda os olhos dos mais sábios, confundindo-os. Uma simplicidade que não existe, dada a dificuldade de alcançar o real conhecimento.
Nada e ninguém. Não somos nada, não somos ninguém. O conhecimento é o único que pode trazer evolução, e ele está distante, apesar das tentativas de tentar diminuí-lo. Tão distante quanto poderia estar, e apesar dos esforços, difícil é trazê-lo realmente pra perto. Exatamente o por que, eu não sei. Ele, o conhecimento, pode ser encarado como um Deus. Logo, Ele, deverá ser idolatrado, procurado, venerado, e acima de tudo, repartido. Mas, como transformar o abstrato em idolatria? Como enxergá-lo como caminho único e sem volta para a evolução?
Egoísta aquele que compreende, na mais profunda instância, o que Ele significa, e mesmo assim, não procura dividí-lo. Não busca ensinar outros a seguirem o caminho d’Ele. O Conhecimento cognitivo, agora substantivo próprio, que não pode ser separado da sabedoria. Intrínsecos.
O tempo traz Sabedoria. Certos espaços acrescentam Conhecimento. A busca incessante pela evolução, traz o Conhecimento. E a busca por este Conhecimento, traz a evolução. A trilha é a mesma.
Na jornada que se inicia quando compreendemos o peso do verbo/Deus Conhecer, o que existe é luta, força, tempo e espaço.
Tempo e espaço, os mesmos que constituem a névoa que engana, constroem também o caminho do Conhecimento. O que muda é a perspectiva, e a o quão você se aproxima d’Ele.
Voltando a premissa de Drummond, “tenho apenas duas mãos/ e o sentimento do mundo”, que conecta-se a pergunta retorica que este autor vos fez, não há muitas ações a serem realizadas. Apenas, talvez, evoluir. Irônico, certamente.
Fatidicamente, nosso cotidiano tende a nos afastar do Humano, enquanto o Ser, por si só, também decresce. O que tem crescimento exponencial, é o Ser, mas não por Ser, e sim pelo Ter. Ou melhor, Ter para Ser. De humano, restou a lembrança, pequenos - e raros - momentos. E se o Deus Conhecimento é quem deveria ser venerado, pois ele acrescentaria complexidade e outros nobres atributos ao Ser Humano; vivemos tempos tortuosos e de dificuldade incalculável, afinal, atualmente quem é referenciado e idolatrado é uma invenção, do animal “racional” que povoa este planeta.
Uma máquina que abduz o Ser, o Humano e o Ser Humano. Uma máquina que provoca um aumento infinito à névoa. Algo tão poderoso, que nos faz esquecer que para Ser, precisamos do Conhecer. Uma máquina que dita palavras, e as copiamos prontamente. Algo forte o suficiente para nos fazer esquecer de nossa própria natureza e sua proteção instintiva. Poderoso, esse advento transformou o próprio significado da Vida. Agora, é isso que vale, e é isso que compra o mais poderoso verbo de nossos tempos, verbo que já utilizei anteriormente: o Ter.

E o resto, fica pra depois…

Publicou Há 4 meses

valores

Superação é uma palavra bonita, não? Usada amplamente em livros inúteis de auto-ajuda e em vídeos motivacionais, que já se tornaram um grande clichê da ‘era youtube’, e poucos produzem realmente emoção a ponto de motivar de fato. Então, por que ainda esperamos e ansiamos tanto por nos superarmos? Por fazer mais que a outra geração? Por  querermos ser maiores que o indivíduo ao lado?

Ninguém sabe o que se passa realmente na vida, nem no coração alheio. As vezes sua conquista pode parecer maior que a do outro, mas aí entram as circunstâncias. Mesmo que a conquista do cara que está ao seu lado pareça menor em um primeiro momento, leve em conta tudo que ele passou, sentiu e resistiu para chegar ali. Talvez, você não tenha tido as mesmas dificuldades, e por isso alcançou maior êxito… Ninguém é melhor do que ninguém, e isso é um enorme problema da sociedade atual: querer ser melhor e maior que o outro.

Por que essa necessidade de vencer a qualquer custo? Uma hora iremos perder, uma vez, duas, três, infinitas vezes. Em um planeta de 7 bilhões de pessoas, qual a relevância de um único indivíduo? Poucos se destacam, menos ainda são lembrados, e uma número ínfimo fica eternizado na história. Pra que tanta ambição, soberba e arrogância? Somos todos iguais, nossas vidas são diferentes. Sua capacidade pode ser medida pelo esforço, pelas oportunidades, mas pare e pense; o presidente da empresa é tão importante quanto o funcionário mais mal pago! O que seria deste mundo sem alguém pra limpar? O que seria do mundo sem alguém pra ensinar? Não, não se ache superior NUNCA, simplesmente por que você não é superior a ninguém, a nada. Em nosso país a frase “sabe com quem está falando?”, é amplamente usada. Percebe o quão errado está isso? Em outros países, em que as desigualdades sociais são menores e as pessoas não se consideram maiores que as outras, costumam dizer “quem você pensa que é?”. Entende a diferença? Enquanto a primeira frase aumenta o Ego, e traz a pessoa pra baixo, a segunda frase equipara os dois, coloca-os em pé de igualdade.

Eu não entendo essa ambição desmedida que prega a aniquilação moral, financeira e social do outro, em prol do próprio sucesso. Não seria melhor algo em que todos pudessem compartilhar do mesmo sucesso, apesar das diferenças? Não me sinto melhor que ninguém, pelo contrário. A sociedade me coloca pra baixo, dizendo amplamente que sou incapaz, e que preciso de mais; mais diplomas, mais dinheiro, mais carros, mais imóveis, mais roupas caras, mais objetos de grife, mais, mais mais… MAIS! MAIS O QUE? Nada que eu faço é suficiente, por que “fulano conseguiu mais”. Mal podemos saborear uma vitória, por que outro campeonato já começou, e se eu não for bem nesta nova disputa, não serei reconhecido e meu status cairá. Não! Se você falhou, parabéns! Tu deste a chance a outro indivíduo que está melhor preparado que você, simples assim. Eu não quero MAIS. Eu quero IGUAL! Sabe o que eu quero mais? Quero mais tempo com as pessoas. Quero mais tempo pra compartilhar e entender os sentimentos humanos. Quero mais tempo para compreender a sociedade, e procurar fazer o bem pra ela. Não pra mim, para todos.

Andamos em sentido contrário ao amor, a felicidade, solidariedade e a compaixão. É tão errado desejar e querer igualdade entre um morador de rua e um herdeiro de fazendas? Ou de um garoto de favela e um empresário? Não. E num estou falando de dinheiro, eu só queria que os dois pudessem ser felizes e serem respeitados, simultaneamente. Por que o sucesso de um é o fracasso do outro? E daí o sentido da superação. Cada um sabe onde deve se superar, e eu tento superar as diferenças, ver, respeitar e tratar todos da mesma forma. Não me importa sua idade, sua cor, seu gênero, sua opção sexual ou sua classe social. Não quero saber o nome de sua família e quantos milhões ela acumulou. O que vale é você, seus valores e o quão você consegue fazer o bem. Eu gostaria de conseguir imaginar uma sociedade mais humana, sabe? Sem essa de “tempo é dinheiro”, por que não é. Vejo pessoas morrendo e se arrependendo de terem gasto uma vida trabalhando em lugares que odeiam para comprar coisas que não precisam (obrigado, sr. Durden). Tempo não é dinheiro, nunca foi e nunca será! Tempo é vida, é relativo, inconstante e mutável. Faça o melhor com o seu tempo, não o mais lucrativo.

Será que vale mesmo a pena investir toda sua grana em ações? Ou seria melhor você fazer uma doação, por menor que seja, e ir pessoalmente levar um pouco deste dinheiro em uma creche de crianças carentes? A sensação de ajudar essas crianças num é melhor do que a sensação de comprar uma TV nova? Pense comigo: aquela criança pode nunca mais se esquecer de você e de suas palavras. Ali, você poderá mudar uma vida, colocar a criança no caminho do bem. Além disso, aquele momento jamais sairá da sua mente. Ver o sorriso de um pequeno ou de uma pequena é muito marcante, pois é sincero, cheio de amor. E a TV? Bom, sinto-lhe dizer, mas assim que comprar aquela, outra chegará no lugar, melhor e mais potente. E peço para que reflita mais uma vez: pra que uma TV que fala e que recebe comandos sem o controle remoto? Não há a menor necessidade disso, e gastar uma pequena fortuna num utensílio tão supérfluo é realmente desnecessário. Não condeno quem o faz, pois cada um sabe de sua própria vida; aqui só estou propondo uma reflexão.

Acho que já chega de ser mais do mesmo, acho que passou da hora de olharmos pro lado e ajudarmos, ao invés de fingir que os inúmeros problemas sociais não existem. Acorde aí, a superação não é você ganhar mais dinheiro que todo mundo. Superação está intrínseco à evolução, e para evoluir você precisa das pessoas, de suas experiências, de seus dramas, seus amores, suas ideologias. Caixão não tem gaveta e aprendizagem é a única bagagem levada! (valeu, frfn)
Vou me superar, vou me reinventar. Evolução, fazer de maneira diferente, tira o ódio do coração e tente usar mais a mente (obrigado, MD2).

Enfim, espero que você, leitor, reflita um pouco sobre tudo isso…
Paz e amor, sempre!

Publicou Há 9 meses

quem eu sou odeia o que me tornei?… decididamente não!

Nos últimos dias parei em uma questão que sempre me afligiu: a fragilidade da juventude, a forma com que ela passa, como o tempo se vai sem quem percebamos.
Que a vida é passageira, veloz e complicada, é senso comum. Mas parei pra tentar entender um pouco mais sobre a vida atual, sobre a sociedade como um todo.
Tentarei devanear sobre o turbilhão que se tornou minha mente, por partes.. 

A juventude. Pra mim, nada neste mundo é tão precioso quanto este estado evolutivo. Por isso me esforcei desde cedo para conhecer diversas tribos, aproveitar o máximo a cada minuto. Contagiei, fiz e falei tudo para que as pessoas ao meu redor me acompanhassem. Mas mesmo assim, mesmo sabendo que eu aproveito minha juventude, eu a vejo passando como um tiro. Rápido e certeiro, com um fim determinado. E este fim se aproxima com alarde, faz com que eu pare para analisar tudo, desde o começo até o presente momento. Aproximadamente 9 anos desde que comecei a dar os primeiros passos rumo a aproveitar, de fato, este estágio. De lá pra cá, fiz muitas coisas. Conheci pessoas, experimentei momentos, sentimentos, fases.. Ouvi músicas das mais variadas, toquei de todos os estilos um pouco. Frequentei lugares de todas as camadas sociais, conversei com mais pessoas que consigo me lembrar. Preservei as grandes amizades, outras, infelizmente, se foram com o tempo. Outras ainda, permanecem apesar do pouco contato, e estas morarão sempre em meu coração. E ainda aqueles que continuam, não obstantes, ao meu lado, pro que der e vier. E a eles eu sou mais grato, pois só cheguei a ser quem sou, devido a amizade e companheirismo destes anjos em minha vida. 
Ser jovem é experimentar e viver. Eu procurei viver de outras formas às convencionais para nossa sociedade. Não fui um típico adolescente, e não sou um típico jovem, que qualquer um pode ver lotando as baladas, ou a novela, a malhação… Procurei ir além, e com isso, aqueles que me acompanharam tornaram-se irmãos. Valiosos, inteligentes. Seguirei-os até o fim, como sei que eles me seguirão também. Todas as experiências vividas me tornaram alguém diferente do comum. Meus estudos aprofundaram minha percepção e conhecimento, apesar de considerá-los ainda básicos. Pretendo me aprofundar cada vez mais no entendimento social, político, HUMANO… 

E o questionamento é, será que há tempo, enquanto jovem, mente boa e sagaz, para tudo isso? Alguns me diriam que sim, outros diriam que não.
Decididamente eu afirmo que não há tempo. Nós, jovens deste século, sofremos uma enorme pressão para superar nossos pais, já que nos foi dada a internet e o conhecimento além, e a partir disto, devemos transgredir os limites de uma sociedade que moldou toda nossa vida. Como modificar um sistema tão profundamente corrupto e destruído, utilizando apenas este conhecimento? Este é só um exemplo, em âmbito generalista. Pegando um exemplo comum, estudamos durante aproximadamente 11 anos (o que deveria ser) o básico. Até nos formarmos no colégio e seguirmos para as áreas já pré-escolhidas pelos séculos de evolução. Jornalismo (como eu), Direito, Medicina, Engenharia… Ou qualquer outro curso. Já penso daí um alvo de críticas minhas: como escolher o que fazer durante uma vida, com 17 anos? Nesta idade, o cérebro está imaturo e muito superficial para escolher UMA profissão. Seguindo com o pensamento, após fazermos esta escolha, uma Universidade nos toma como jovens promissores, e transmitem seus conhecimentos e visões para nós. Sem que saibamos, esta Instituição nos enche de informações e opiniões pré-estabelecidas por ela, tornando-nos pequenos peões-não-livres. Pensamos da forma que eles desejam que pensemos. Instituições religiosas, procuram nos tornar religiosos. Instituições político-esquerdistas, querem fazer com que seus alunos sigam esta filosofia política. E assim por diante. Após alguns anos, 2 ou 3 de faculdade, somos (mais uma vez) obrigados a entrar nesta área, para conhecer o tão santificado mercado de trabalho. Isto limita ainda mais o poder do pensar. Com menos da metade do tempo que tínhamos para estudar, tornamo-nos cidadãos trabalhadores-estudantes, que não acrescentam em nada para a sociedade em si, no geral. Acrescentamos, sim, para nossa empresa. Para aquela que nos paga uma bolsa-auxílio, em troca do nosso trabalho. É o privilégio de um emprego, para alguém que deveria estar estudando e ampliando o conhecimento.

Dinheiro. Como sempre, escravos do dinheiro, seguimos nossas vidas. Fim do curso universitário, e aí, chega a hora de parar de estudar para nos dedicarmos inteiramente ao ato de trabalhar. Ou então, podemos fazer uma pós-graduação, de 2 anos, uma ou duas vezes por semana. Por vontade de conhecimento? Não, para aumentar o currículo, e assim, recebermos mais dinheiro. Currículo cheio significa mais grana. Por experiência própria, decidir que irá fazer outra faculdade após finalizar a primeira, é experimentar ser chamado de louco, muitas vezes. Outro curso, por pura vontade de aprender e realizar sonhos que não tem tanto a ver com a questão financeira.

É aí que entra a afirmação “e vai viver de que, de vento?”. E junto a isto, entra mais um questionamento meu… Se somos seres humanos, que nos aproximamos a cada dia mais da morte, e esta é nossa única certeza, eu lhe pergunto, o que levará para o além-vida? Garanto que as 8, 10, 12, 14 horas que você dedicou a uma empresa diariamente durante anos a fio, não serão de grande valia. O aprendizado ali dentro, sim, mas é limitado demais. E o principal, o salário, duramente conquistado mês a mês… Aquele dinheiro gasto, enquanto outro montante era guardado com a finalidade de fazer fortuna, sabe? Tenho absoluta certeza que seu banco não lhe dará suas economias para o que há depois do tempo na Terra. De que vale gastarmos uma vida para ganhar algo que usamos para comprar coisas que não precisamos e para ser guardado em um lugar inescrupuloso e não-humanitário? Não seria de maior valor passar nosso tempo aqui para aprender mais e mais, engrandecer o espírito, conquistar o amor de outros seres humanos e ama-los também, estudar diversos cursos e culturas? Não seria melhor entender o que fazemos e o por que fazemos tudo isto aqui? Nunca parou para pensar nestas coisas que vão mais fundo?

Eu me pergunto isto todos os dias. E amaldiçoado seja o que criou o dinheiro, o capitalismo desmedido. Aquele que nos obriga a acordar, todos os dias, infelizes, para trabalhar em locais que muitas vezes odiamos, que tornam as pessoas mesquinhas e simplórias. Isto trouxe uma sociedade burra, ignorante dentro se seus mestrados e doutorados, podre, inescrupulosa, odiosa, violenta, em que o cara que está ao seu lado não é um companheiro, mas um adversário por uma vaga no vestibular, no mercado de trabalho, na fila do SUS… Me diga, a que ponto chegamos? 

Param em um semáforo e rapidamente fecham o vidro com medo de perderem seus bens. Criticam a criança por pedir dinheiro naquele local. “Vai trabalhar”, eles dizem. Mas como?
Uma sociedade que se preocupa mais com o capítulo da novela da Globo, do que com um ser humano morrendo de fome e frio, na porta de seu prédio, de sua casa. Um povo que deseja a morte de um semelhante pobre, que não teve oportunidades na vida, caminhar pelo obscuro caminho do crime, por que era a única forma de realizar algum sonho; enquanto aquele senhor, de gravata, morador de brasília, que sabe falar “eu construirei novas avenidas, hospitais e escolas”, sendo que na realidade, só sabe desviar um dinheiro que deveria servir para evitar que aquele semelhante pobre, seguisse o caminho do crime. Simplificando, pedem a morte de um ladrão, de um traficante, enquanto votam e santificam o político que é o culpado de verdade dos problemas sociais. 

Eu sou um paulistano de classe média, que aprendeu a pensar fora da “bolha”. Saí da área de alienação. Não faço parte da massa de manobra. Um jornalista que recebe olhares e exclamações de espanto por não assistir televisão e defender pessoas menos favorecidas. Perguntam “o que você defende?” Então, vou responder aqui vai o que eu defendo. Eu defendo o fim da Polícia Militar. Eu defendo o desarmamento. Eu defendo escolas públicas com um sistema de ensino fortíssimo e para TODOS. Um sistema universitário que nos faça evoluir. Defendo saúde pública para qualquer um, o que inclui médicos em TODOS os lugares do país, sejam eles brasileiros ou cubanos. Defendo também a democratização da mídia e o fim da alienação por parte dela. Defendo programas culturais e conhecimento em excesso para a população. O Fim do pão e circo. Defendo que TODOS tenham uma moradia, cestas básicas e uma qualidade ao menos média de vida. Quero ver pobres e ricos confraternizando. Eu defendo a descriminalização das drogas, a legalização das mesmas, de forma controlada e inteligente. Defendo o fim da violência e da guerra do tráfico. Defendo a completa destruição do sistema brasileiro de votos e político. Defendo o fim dos bancos, como os conhecemos. Defendo uma sociedade socialista e igualitária com liberdade. Defendo o fim da exploração das empresas sobre os empregados. Defendo a reforma agrária. Defendo a diluição de terras entre as pessoas. Defendo a diminuição dos lucros das empresas multinacionais, em prol do dinheiro público, o que é gerado no país, fica no país, em sua maioria. Defendo o fim de veículos de comunicação, que só publicam notícias mal apuradas e mentirosas, tendenciosas. Defendo o fim do julgamento entre semelhantes… Defendo MAIS AMOR, mais HUMANISMO. Defendo a PAZ!
Muitos “defendo”. Mas eu acredito nisso, luto e lutarei por tudo isso. Discutirei e farei o que puder para que, quando chegar a hora de morrer, eu tenha certeza que meu espírito recebeu mais que minha conta bancária. Mais amor, menos dinheiro!
Quero uma sociedade pensante, inteligente, forte, que sabe o que quer. Muita coisa que eu defendo, é utópica, ou semi-utópica, sei que é. Mas nem por isso deixarei de acreditar que pelo menos uma parte desta ideia se torne real.

Penso na vida e na juventude, e não sei onde me encaixo! Sou convicto em tudo que escrevi acima, mas não compreendo como as pessoas se deixam envolver de forma tão profunda pelo sistema, que não conseguem ver mais do que deixam. É a Matrix, e poucos querem sair dela. Mas não entendo como isto acontece! Pessoas que cresceram comigo e hoje se tornaram fúteis, ignorantes, totalmente manipuladas… Não consigo ver onde isto aconteceu..
Consigo ficar feliz com um simples raio de sol entrando pela minha janela. Ou com a perspectiva de um dia frio que será aquecido pelo meu amor. Abro um grande sorriso ao ver uma criança, em qualquer lugar. O mar me deixa em estado de êxtase, paz e tranquilidade. Uma música deixa meu dia muito mais alegre. O cheiro da natureza me engrandece…
Coisas realmente simples! Enquanto vejo muitos ao meu redor insatisfeitos até que o salário caia na conta, e este dinheiro possa ser gasto no shopping ou na balada. Só isso é a felicidade para vocês? A superficialidade toma conta de tudo, e isso se mostra a verdadeira ruína do nosso mundo. Não é o aquecimento global, nem o buraco na camada de ozônio (lembram deles? Pararam de falar destes problemas, mas eles estão aí). Não é a AIDS, o câncer ou alguma doença. Não são extraterrestes. Estamos ruindo de dentro pra fora, e isto, pra mim, é claro.
Pessoas nascem e morrem todos os dias, e ninguém se dá conta. Não há mais uma alegria real no nascimento, nem uma lamúria na hora da morte. Tudo superficial demais! Se morrer, morreu. Se viver, viveu. Eu quero que meus avós sejam bisavós, tataravós. Carregarei-os onde puder! Quero ver meus pais ficarem bem velhinhos, escrever um livro sobre suas histórias e perpetuar sua vida. Não quero que pessoas tão amáveis sejam esquecidas. Somos seres insignificantes e minúsculos perto de um país, continente, planeta, sistema, galáxia. O universo pode não ser apenas um… Podem existir várias dimensões. Mas não estamos aqui para nascer, crescer e morrer. Estamos aqui para evoluir. Não a conta bancária, mas o espírito e a mente. Faça o que tiver de fazer para ser feliz. Pobre ou rico. Trabalhe MENOS e viva MAIS!
Deixe que aquele acorde, daquela música do Bob Marley, entrei em conexão com suas células, respire e sinta o ar entrando em seus pulmões. Pare com uma simples planilha e vá dar um beijo na sua mãe, nos seus filhos… Brigue menos.

Eu, como jovem, sinto-me limitado pelo meu tempo e pela minha sociedade. Não queria viver aqui, não sou daqui. Penso demais, filosofo demais. Sei que como eu, existem outros que seguem esta linha de pensamento e isto me alegra… Nós não mudaremos o mundo, mas poderemos mudar algumas vidas e trazer felicidade a elas.

A finidade da juventude é algo que me deprime. Quero ser jovem para sempre, ter vitalidade, força, saúde… Estudar 4, 5, 10 cursos diferentes. Compreender e me aprofundar em cada ponto citado neste texto devaneado e louco. Mas eu vou envelhecer, e isto acontece com maior velocidade a cada dia… É nossa espécie, a vida em nosso tempo é assim, e eu tenho que aceitar, apesar de não entender… Mas eu garanto que meu espírito saíra deste planeta de forma mais forte, mais evoluído, maior que meu salário.

Desejo que estas palavras toquem cada um que ler, e mude um pouco cada mente.
Amor é o único caminho!

Tenho muito orgulho de quem me tornei. E quem eu fui, se foi. Serviu para eu aprender e acumular experiências, mas não sou o mesmo de 3, 4 ou 5 anos atrás. O ser humano deve metamorfosear, sempre, e foi exatamente o que eu fiz. Em busca da evolução!


'sabe desde o início: alma, espírito, corpo, mente… Sua jornada diligente faz valer o sacrifício…”

É isso! 

Publicou Há 11 meses

O amor, vida!

       A vida pode ser realmente muito boa, uma bênção vinda sei lá de onde. Se você se permitir viver, e realmente admirar tudo que podemos proporcionar a nós, perceberá como a pluralidade e diversidade do mundo é maravilhosa.

       A natureza é algo realmente impressionante e inacreditável. Tudo se encaixa perfeitamente, desde o crescimento da pequena folha universal, até a complexidade do corpo humano. E somos estes humanos, complexos e difíceis de entender. 

     Costumamos (ou deveríamos) nos divertir do começo ao fim, com os amigos, família e/ou com a namorada (o). A não ser aqueles seres sistemáticos, totalmente alienados, que vivem pra trabalhar, o que se torna cada vez mais comuns em nossa sociedade. As pessoas se esquecem de amar ao próximo, esquecem que são simples animais pensantes, e buscam uma espécie de mutação, para se transformarem em máquinas, que não param de trabalhar, nunca. Isso é altamente prejudicial de diversas formas, e normalmente acaba por tirar mais cedo a vida destes ‘workaholics. De que adiantou trabalhar tanto, acumular tanta riqueza, se não levará nada material deste mundo? Se não usou esse dinheiro em prol da felicidade dos outros? De que vale tanto dinheiro, se é incapaz de provocar um sorriso sincero em um semelhante? Devemos acumular momentos felizes, devemos conhecer outros lugares, outras culturas, outras pessoas. Isso sim acrescentará ao espírito, em sua essência, e este conhecimento poderá até ultrapassar a morte. Quem sabe, não? 

     Durante minha curta existência (até agora), adquiri boa experiência em algumas áreas, e continuo totalmente desconhecedor em outras, mas ainda assim explano sobre boa parte dos assuntos… Enfim, durante minha vida concluí que nada acrescenta mais do que a convivência com pessoas que amamos. É uma troca de sentimentos verdadeiros e mútuos… As informações, confidências, segredos, intimidades… Qualquer outro tipo de relação é muito válida. Aprendi que nada é mais forte que este amor. Muitos acreditam que foi este sentimento que criou o mundo como o conhecemos. E apesar de ver o mundo ruir pela televisão, olho para o lado e vejo que não é assim. Ainda existem pessoas preocupadas com o bem estar alheio, que sonham em ajudar e amar cada vez mais.

     E falando nisso, e o amor, belo amor? O que dizer sobre este sentimento? Aquele que já afirmei diversas vezes: é o único capaz de trazer a verdadeira felicidade. A mais pura, inocente, e incrível felicidade. Este sentimento nos arrebata e preenche cada célula com um calor inebriante, e uma felicidade incompreensível! Amor, tão difícil entender, impossível explicar. Capaz de ultrapassar os limites existentes e nos fazer ir além!

     Amor pelos pais, que nos faz cuidar deles até o fim, até que eles não aguentem mais este mundo e resolvam descansar. Amor pelos irmãos, que nos faz protege-los de todo o mal que pudermos. Aconselhamos, brigamos, conversamos, educamos… Amor pelos amigos, que nos faz esquecer os problemas, que nos diverte sem igual. Que amadurece, que nos ensina tantos valores bons e ruins, imprescindível para uma vida saudável. O amor pelo mundo, pela natureza, pelos animais, pelo desconhecido… E finalmente, o amor puro, eros, fonte de tantos livros, filmes, poesias, músicas, sonetos, estrofes, quadros, cartas.. Causa de tantas lágrimas, tantos sorrisos, novas vidas, novas famílias… Responsável pela evolução do mundo, da sociedade, do indivíduo, do espírito.

      Amor tão sublime, que chega a pontos inalcançáveis, que muda vidas, que transforma onde chega.. Pode vir rápido, com apenas alguns olhares… Como pode demorar, chegar a partir do conhecimento do casal, das afinidades, da convivência. De onde ele vem não sei, mas sei que existe, e é algo tão lindo quando o mais belo entardecer, e ainda mais! Da forma que comecei esse texto, sobre aproveitarmos a vida. Pois aí está! Não há forma mais sincera e pura de viver e aproveitar a vida do que amando. Amar de todas as formas, mas principalmente através do amor eros. 

     Conhecer alguém, todo o processo de descobrimento, intimidades, carícias… Casamento, filhos, quem sabe, uma vida ao lado de alguém! Mais uma vez a televisão diz que isso acabou. E mais uma vez olho para o lado e desminto isso. Lindas histórias de amor ainda acontecem todos os dias, as pessoas que tem a coragem de deixar acontecer, vivem este amor intensamente, sempre! E independente do tempo, no final das contas sempre vale a pena viver isto. Se não deu certo, é por que a vida lhe reserva algo melhor, ainda mais significativo, um sentimento ainda mais forte. O amor ainda existe, está na nossa essência, pelo menos na daqueles loucos que o sentem e o vivem.

     Acredite nisso. Os criadores de tantas artes voltadas a este sentimento não o inventaram. Eles simplesmente deixaram que o amor tomasse conta de suas vidas, subjugaram os problemas, o trabalho, a sociedade e quaisquer outros fatos que poderia atrapalhá-los, e foram conquistados pelo abstrato mais antigo da Humanidade. 

      Desilusões acontecem. Decepções são comuns, afinal, nem todas as pessoas entendem a complexidade de fazer parte da vida do outro, desta forma tão intensa. Outros preferem se esconder, tem medo… Usam outras pessoas e são usados. Não há nem sentimento, nem valores, apenas prazer. Livre arbítrio! Só não esqueçam o respeito e a consideração! Ali há outro ser humano, cheio de emoções e sentimentos, não o faça sofrer, procure ser sincero e verdadeiro, independente de tudo. E lembre-se, o maior prazer do mundo é o amor. Uma hora ele vai te encontrar, saiba o que fazer quando ele chegar. VIVA! E não se esqueça, AME!

 

     Os valores sociais podem estar invertidos, o mundo pode estar de cabeça pra baixo, mas tenho esperança e muita fé de que no final, o amor vai prevalecer sobre tudo!

 

 

PAZ e muito AMOR!

Publicou Há 1 ano

2013 and nothing have changed?

Essa música tem feito parte dos meus dias há alguns meses, e hoje parei para assistir ao clipe, gravado no Rio de Janeiro, e com participação do vocalista do Rappa, Falcão. Antes de ler tudo, tente prestar atenção nessa letra (traduzida) e ouça a música. Sinta e reflita. Depois, leia o restante =)

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=QTOyeFQgZKk

Everything changes - S.O.J.A (Tudo Muda)

O que nós realmente precisamos
Nessa vida?
As vezes eu olho pra mim mesmo,
E sinto que não esta certo

Pessoas lá fora sem
Comida à noite
E nós dizemos que nos importamos, mas nós não nos importamos
Então todos mentimos

E se existisse mais do que isso?
E um dia nós nos tornássemos o que nós fazemos, não o que falamos
E nós terminassemos nessa merda toda em que eles estão
E os papéis fossem invertidos, e fosse diferente

E nós fossemos aqueles sem nada para comer
Nós fossemos aqueles com sangue nas nossas ruas
Nós fossemos aqueles com toda a descendência
E eles fossem aqueles que só assistem a TV
Nós fossemos aqueles quebrados e despedaçados
Com nossas vidas nas costas, e nossa esposa nos braços
E eles fossem aqueles que diziam “Caramba, isso é tão triste”
Nós fossemos aqueles…

Nada nunca mudará
É a única coisa que eu sei
Nada nunca mudará
Olhando por esse lado
Nada nunca mudará
Nada nunca mudará

Olhe para os seus sonhos e suas intenções
O quão egoísta eles são pra você mencionar?
Transformar algumas centenas em milhões
Casar com uma modelo e ter alguns filhos
Bem… eles tiveram sonhos também, eu imagino
Tipo se não vão voltar para mata-los
Dormir à noite sem um assassino
Em alguma pequena cidade que você nunca ouviu falar
Agora, olhe para os seus pesadelos e seus piores medos
Seu carro, sua casa e sua garota, e isso acaba por aí
Todas essas coisas que você não pode imaginar perder
Tipo “Oh, não, e se isso acontecesse comigo?”
Bem… o que você tem eles nunca tiveram
Nem foram como você, nem tiveram a suas chances
Nem foram como você antes de partirem

Nada nunca mudará,
Pelo menos é assim que nós agimos
Como se nada nunca mudasse,
Como se Deus nos carregasse em suas costas
Nada nunca mudará,
Estou olhando por esse lado
E tudo o que eu vejo é dor, yeah
E só vai crescer

Talvez nós precisemos de mais calçados nos nossos pés
Talvez nós precisemos de mais roupas e TV’s
Talvez nós precisemos de mais dinheiro e joias
Ou talvez nós não sabemos tudo o que precisamos
Talvez nós precisemos querer consertar tudo isso
Talvez parar de falar, talvez começar a escutar
Talvez nós precisemos olhar para esse mundo
Menos como um quadrado, e mais como um círculo
Talvez, apenas talvez, Deus não seja injusto
Talvez nós sejamos todos Seus filhos e ele esteja la em cima
Talvez ele nos ame por todas as nossas raças
Talvez ele nos odeie quando somos tão racistas
Talvez ele nos olhe quando não nos importamos
E o céu seja bem aqui, mas é o inferno pra la
E talvez os mansos herdarão a Terra
Porque isso já foi escrito antes, então…

Tudo muda,
Nada permanece o mesmo
E tudo muda,
E se você se sente envergonhado
Talvez você devesse mudar isso,
Antes que seja tarde demais
Talvez você devesse mudar isso,
Meu irmão, nós estamos empacados no portão
Tudo muda, muda, muda
Talvez você deve alterá-lo, alterá-lo, alterá-lo
Tudo muda, muda, muda
Tudo muda

Muitas vezes me pego pensando na atual condição da minha cidade, do meu país, do mundo. E sempre chego ao mesmo questionamento: o que nós, simples e meros mortais, sem grandes posses e poder, podemos fazer diante de tudo isso? O que efetivamente ajudaria a mudar um mundo sujo, sem caráter, podre, desalmado, que muitas vezes esquece o amor, a honra e a dignidade em prol de dinheiro?
Aí penso nas pequenas atitudes, que realmente podem mudar vidas. Lembro das pessoas conscientizadas, que escrevem seus textos (como eu mesmo estou fazendo agora), e esbravejam nas redes sociais pedindo mudanças e ações mais nobres. E ao lembrar disso, me pergunto se alguma dessas pessoas já abriu o vidro no carro no farol, e chamou uma criança de rua para conversar. Ou se já tirou a própria blusa, e entregou a uma destas crianças. Se já ofereceu um chocolate, um lanche ou um refrigerante ao invés de simplesmente jogar 50 centavos e acelerar o carro.
Me pergunto se alguma destas pessoas já foi a um orfanato, ou a uma creche de crianças carentes para entregar presentes, e ver como é a vida destes pequenos. Lembro que não só crianças sofrem, mas moradores de rua em geral. Será que você já comprou uma besteira qualquer só para ajudar um mendigo? Doou um cobertor?
Ou então pense, já teve coragem de indicar para seu chefe um colega que estava passando aperto financeiro? Será que você teria coragem de contratar um ex-presidiário? Um alcoólatra em regeneração? Um migrante simples e pobre, que não tinha nem onde dormir quando chegou na cidade grande, será que você teria coragem de oferecer um emprego e um quarto para abrigá-lo? 
Não digo isso da forma politicamente correta e que todos idealizam mas jamais realizam. Digo por que já fiz, ou ajudei diretamente a realizar cada uma destas ações. E não considero isso um mérito ou algo remotamente admirável. Considero isso como uma ação normal, de alguém que se diz conscientizado e preocupado com o que nos resta de esperança para este lugar que habitamos. Nada mais normal do que ajudar o próximo, pois prego que a paz e o amor devem estar acima de todas as coisas. Ninguém é nem de longe perfeito.
Claro que todos temos crises de estresse com coisas idiotas, como nosso trabalho, por exemplo. Você já parou pra pensar o quão insignificante são suas (e minhas) planilhas, reuniões, tabelas, apresentações, textos, reportagens, programações e etc, perante o âmbito mundial? Toda sua vida dedicada a uma empresa, que na verdade não é nada. E para o mundo, você é menos que um dado.  Menos que um byte. Então, como podemos brigar com quem amamos, esquecer sequer de aproveitar um simples pôr do sol, por conta de algo que não representa nada além de dinheiro. Um dinheiro que muitas vezes você não precisa, e que você usa para comprar coisas que também não precisa. Eu sou assim também, todos somos. O sistema nos fez assim, e seremos assim até o fim. Mas, por que não abrir mão de descontar um problema em seu filho, em prol de um sorriso sincero e um abraço? Garanto que esse gesto de afeto é muito mais importante do que qualquer problema que tenha tido na empresa. Por que não sair mais cedo, comprar um saco de pães, e entregar a aquela mulher, sentada no viaduto, que não tem forças para levantar de tanta fome que sente? Ou então, por que não comprar flores e chocolates para sua amada, ser um pouco mais romântico, mais afetivo?
Esqueça um pouco as prestações, por mais difícil que seja, junte seus amigos e suas respectivas namoradas e esposas, e vá passar um final de semana na praia. ESQUEÇA todo o “conforto”, deixe a tv, o rádio, o secador de cabelo, a sua ducha super forte, o computador e o videogame e aprenda a viver com simplicidade, pelo menos por um dia. Você não vai morrer se passar algum tempo sem isso, e vai aprender a dar valor ao sol, ao mar e as estrelas.
Alguns não tem coragem de ir acampar, por exemplo, de tanto medo que sentem de ficar longe da comodidade exagerada que foi criada pelo capitalismo. Não sou hipócrita, todos gostamos de conforto e coisas boas. Mas saia um pouco desse mundinho fácil e veja por alguns dias como é dormir na areia, na terra, permita-se sentir o mar e o sol.. fique um pouco sem o que está acostumado. Isso pode causar uma incrível transformação dentro de um ser humano. 
Vai dar valor ao que possui, e vai se lembrar de quem vive no limite todos os dias. Aí talvez comece a pensar na sorte que lhe foi concebida, que nos foi dada.

E se você fosse um daqueles ‘com nossas vidas nas costas, e nossa esposa nos braços?
Mas não somos, então ajude quem tem que carregar o mundo nas costas sem ter um mísero copo de água. PARE DE RECLAMAR TANTO. Não imagina o que alguns fariam para ter o que temos por apenas um dia. Não discrimine tanto quem perde o senso e comente um furto. Não deve ser fácil ver seu filho definhando de fome diante de seus olhos. Não me cause náuseas ao dizer que ‘bandido bom é bandido morto’, sendo que a pessoa pode ter cometido um delito por puro desespero. E ainda sou obrigado a ouvir de um ou outro religioso que Deus quis que a pessoa se encontrasse nessa situação. Que Deus quis que este ou aquele passasse fome e sofresse além do suportável por 30, 40 anos, para “aprender”. E já que Deus quis assim, você não pode fazer nada, por que iria contrariar o Senhor. Não me dê nojo, não me faça perder a fé na humanidade. Valorize mais o ser humano, e menos o desconhecido e invisível. Somos nós, de carne e osso, que fazemos nossa vida, que escrevemos nosso destino e que colocamos um sorriso no rosto alheio. Lembre-se disto!
Também não me cause náuseas ao dizer que não viverá se não comprar algum objeto ou bem material. Chega de tanta futilidade, chega de tanta alienação. Não precisa mudar o mundo, mude sua postura, e a partir daí começará a entender que se o próximo precisa de ajuda, você o ajudará. 
Pare de se preocupar com o que acontece na Europa, com a crise do euro, do dólar  e com a política da China, e lembre que seu amigo está com problemas. Antes de criticar o presidente, pergunte se sua mãe, seu pai, sua irmã e seus avós estão bem, se precisam de algo. Comece por aqueles que estão perto. Pare de ver tanta televisão. ESQUEÇA a novela, o BBB, o programa matinal.. esqueça o jornal nacional e essa falsa sensação de estar informado. Através de um telejornal você não está nem remotamente informado. Viva mais a vida, celebre e comemore!
Na teoria isto é muito bonito. Mas tentemos colocar em prática tudo isso. 

Não é a toa que me emocionei com o clipe de Everything Changes hoje. Tudo isso vive engasgado dentro de mim, e hoje foi uma pequena “explosão”. Se eu pudesse, mudaria tudo, e cada pessoa individualmente. Mas não tenho nem de longe este poder. O que posso fazer é pelo menos plantar um semente de amor e solidariedade dentro das pessoas que tiveram coragem de ler este texto e chegaram até aqui. Obrigado por isto, significa que você já se preocupa um pouco com o que eu disse, com o que essa linda música diz. Mantenha esse pensamento, expanda-o. Faça o que tem de ser feito. Por favor, aprenda a olhar além de sua vida, e deixe de ser tão egoísta. 
Ame, cuide e valorize cada gesto de carinho. 

Everything changes
And nothing stays the same
Everything changes… 
Publicou Há 1 ano

Adeus, 2012!

2012.. Um ano de crescimento: muscular, espiritual, acadêmico, capilar..

Esperava muito deste ano. As expectativas eram tão altas, que dificilmente seriam atendidas. Como não foram. Mas agora, no momento de balancear o que passou e revisar tudo, acho que foi um ano bastante positivo, divertido e cheio de mudanças. Jamais imaginaria, lá em janeiro, que chegaria e dezembro do jeito que estou agora.

Na virada deste ano, prometi que mudaria algo, que esqueceria e deixaria pra trás. Não foi bem assim que aconteceu, portanto é hora de renovar essa ‘promessa’. Que dê certo dessa vez!

Decidi aproveitar o máximo meus amigos e a manter o espírito jovem sempre. Deu certo! Que continue assim!

Ri. Em 2012 eu dei muitas risadas. Devo ter provocado muitas outras também, pelo que agradeço DEMAIS.

Apoiei e foi apoiado pelos meus amigos/irmãos em tudo. E quando estava errado, eles me disseram e me xingaram. Eu fiz o mesmo com eles. VALEU!

Minha família ficou mais forte, mais madura, com menos brigas, mais paz e tranquilidade. AEE!

Desculpem, mas o MAIS IMPORTANTE desse ano: O CORINTHIANS! Primeiro, fiz minha tatuagem em homenagem ao meu amor maior. 

Aí o que aconteceu depois? CAMPEÃO INVICTO DA LIBERTADORES! INVICTO! E de quebra eu fui em quase todos os jogos no estádio. Emelec, Vasco, San7os, Boca.. NINGUÉM PAROU O PODEROSO TIMÃO! Dia 4/07/2012. O melhor presente (adiantado alguns dias) de aniversário que eu poderia receber. Me proporcionou um dos momentos mais felizes da minha vida, sem dúvidas!

E de quebra, em dezembro, recebemos (adiantado alguns dias também) o melhor presente de natal do mundo: o BICAMPEONATO MUNDIAL DE CLUBES DA FIFA. E pra completar, em cima do CHELSEA, time que eu odeio (São Caetano da Inglaterra FDP). O MUNDO se calou, e o Corinthians conquistou de novo o Mundo. É Coringão, és minha maior alegria mesmo!

Além disso, vi o show que eu mais ansiava em ver. Aquele que eu esperava desde meus 11, 12 anos. FOO FIGHTERS! E foi um show indescritível. O mais inesquecível da minha vida, com certeza. Dave Grohl, mestre, obrigado!

Fora o show do Linkin Park, pela segunda vez, fantástico!

Hmm, foquei muito no crescimento muscular e estou feliz com o resultado até agora. Alcancei em um ano mais do que esperava, isso realmente me satisfez bastante!

Ainda ME FORMEI NA FACULDADE. Depois de muito esforço (principalmente este ano), finalizei o curso de Jornalismo. Obrigado a todos que ajudaram (e muito) nessa longa e difícil jornada. Guardarei todos os amigos da 4ACSNJO 2012 no coração, sempre!

Foi um ano longo e rápido ao mesmo tempo. Com muitos altos, alguns baixos. Alegrias e tristezas. Dor e felicidade. Amor e ódio. Comemoração e comemoração (VAI CORINTHIANS).. Enfim, um grande ano.

2012 acaba melhor que começou, muito melhor (até por que o mundo não acabou né?!). 

E pra 2013 a expectativas são ainda mais altas! PODE COLAR, 2013!!!

Me acomodar? JAMAIS! Estou sempre buscando mais e mais, nunca me darei por satisfeito. Gradativamente, vamos crescendo como pessoas e procurando sempre o MELHOR!

Obrigado por tudo, de coração. E nos vemos em 2013!

Publicou Há 1 ano

what you gonna do?

E quando não se esta satisfeito com a própria vida, o que fazer? Mudá-la, certo? É exatamente isso, mas nem todos pensam assim…
Alguns já tomaram a infeliz decisão de tentar mudar o que eu queria fazer.. Resultado? Uns não estão mais na minha vida, e outros foram ignorados de tal forma que jamais tentaram outra vez. Nem mesmo meus pais conseguiram me ‘domar’, e fazer com que eu aceitasse suas ideias. Fui pro mundo e criei minha ideologia, aprendi sozinho, escolhi quem seria importante pra mim sem perguntar pra ninguém. Quebrei a cara, caí e levantei diversas vezes. Fiz o que quis, e hoje me considero muito mais responsável, vivido e maduro do que muito marmanjo com 10, 20 anos a mais de vida do que eu. Se existe algo que eu prezo acima de diversos valores, sentimentos e pessoas é a minha liberdade de fazer, pensar e realizar as coisas que tenho vontade (dentro dos limites, é claro).
Sabe… foram quase dois anos dificílimos 2011 e 2012.. Mas apesar de tudo, eu agradeço por eles. Agora que as dores foram curadas, eu me vejo muito mais maduro e pronto para a vida. As lições que os acontecimentos passados me ensinaram, são valiosas demais para serem deixadas de lado.
Talvez a maior lição que tive foi aprender a me amar, acima de tudo. Pode ser duro, egoísta e nada magnânimo, mas é assim que a vida é, assim que deve ser. Se ficarmos pensando primeiro em outras pessoas, suspeito que jamais conseguiremos ser felizes. Mas se pensarmos em nós antes de tudo, e falar FODA-SE para os problemas quando for necessário, o caminho pode começar a ser trilhado.
O medo de magoar os outros é tanto, que se escondem dentro da própria agonia, e sofrem em silêncio, só para não decepcionar terceiros. Aceitam ordens, imposições e vontades alheias, sem lutar contra isso. O temor é grande, mas precisa ser combatido.  Chega um momento em que a escolha deve ser feita, sem restrições: ser feliz, ou realizar a vontade alheia em prol da felicidade desses que ama?
Eu prefiro ser feliz, afinal, podemos ajudar, explicar, e ficar ao lado de quem amamos, e se eles realmente nos amam, irão entender nossos motivos, dar-nos a mão e seguir em frente.
Quanto a magoa-los, é inevitável. A vida é feita de bons e maus momentos. Felicidades e tristezas. Infelizmente viver é magoar uns e fazer outros felizes. O simples respirar, comer e viver já faz mal a muitos.. como as as árvores (mais trabalho pra elas), os animais (morrem para sua alimentação) e a morte (que adoraria leva-lo). É engraçado, mas é a realidade.
Se queres mesmo voltar a sorrir sem medo de nada, sem receio de quem possa estar vendo ou ouvindo, a hora de mudar é agora. Não deixe pra amanhã, imponha-se, não deixe que te moldem, não permita que ninguém adie sua felicidade. Não há forma de ser feliz sem que se faça o que o coração manda e a mente permite. O mundo perfeito não existe. O que existe é o aqui e o agora, e as escolhas que somos obrigados a fazer, dia e noite, fáceis e difíceis.
Se compreender e aceitar tudo isso, seja bem-vindo a um mundo com um pouco mais de liberdade, tranquilidade, amor e felicidade.

Espero por você!
 

Publicou Há 1 ano

no fim, você volta ao começo..

é, exatamente isso aí que está acima…
Sempre ouvi dizer que no fim, voltamos ao começo. Tive pequenas provas de que este ditado é real durante minha vida. Por exemplo, no fim do ensino médio, todo aquele sentimento de infância e adolescência pesou em mim, a ponto de chorar e querer voltar ao passado. Em outros diversos momentos, como o fim da minha banda, o fim de um relacionamento, etc..
Mas agora, há poucos dias de concluir o tão sonhado Ensino Superior, almejado e idolatrado pela nossa sociedade, como o fim de um longo ciclo que se inicia aos 3, 4 anos, e termina após os 20, eu vejo como esta frase acima é verídica. Ainda tenho coisas a fazer na Universidade antes de dizer “Estou formado”, mas o sentimento é de término. Durante este ano inteiro venho pensando nisso, e agora, vivenciando os últimos momentos, é que me dou conta do quão importante foi tudo isso que vivi. 

Não pelo lado profissional, já que decidi há tempos não seguir a complicada profissão do Jornalista. Mas o amor pelo que aprendi, vivi e passei, não muda. É pelo lado intelectual e pessoal. Foram 4 longos e complicados anos, cheios, muito cheios de trabalhos e textos. Redações e reportagens. Com provas fáceis e complicadas. Matérias tranquilas e outras dificílimas. 
Cheguei ao fim. Boa parte daqueles que começaram o curso comigo, largaram e estão em caminhos totalmente diferentes. Fico feliz por eles terem se achado em outras áreas. Ficarei feliz quando decididamente achar a minha. Porém, neste momento, tudo que penso é no passado. Não consigo me desligar de diversos acontecimentos que tomaram minha vida escolar, iniciada em 1995, do jardim até a pré-escola . Depois de 1998 à 2005, durante o ensino fundamental. Ou de 2006 à 2008, no ensino médio. E finalmente de 2009 à 2012, no ensino superior. De repente me vejo tomado por lembranças boas e ruins, começo a rir ou refletir sobre o que passou, e me pergunto como a vida é rápida e engraçada. São 17 anos, de 1995 até 2012, que passam em questão de minutos dentro da minha cabeça.
Digo que no fim voltamos ao começo sem medo de estar errado. Por que agora, o que sobra são as lembranças, o começo de tudo isso, de cada ano, cada semestre, cada matéria e prova. Há 4 anos, quando concluí o colegial, disse que queria viver tudo de novo. Hoje, com o fim da faculdade, acho que não direi isso… Não me arrependo do que fiz, de forma alguma, mas tenho a certeza que fiz e vivi todos os momentos de forma mais que satisfatória, de modo que estes dias estarão gravados eternamente dentro de mim.
Agradeço a cada um que me ajudou nesta jornada. E admitirei isso pela primeira vez, sentirei saudades desta época, desta fase, e muita falta das pessoas que convivem comigo diariamente.
Ainda não acabou, faltam poucos dias, sim, mas ainda não acabou. Mas como eu disse, no fim, voltamos ao começo. E como eu já retornei ao começo, aqui dentro, percebi que o fim realmente chegou.
Obrigado. E vamos comemorar \o/

Publicou Há 1 ano
eu só quero ser feliz, sentir o lado bom do “grande sentimento” de novo. Será que é tão complicado assim, Universo? Tá na hora de eu receber alguma sorte, ta na hora de descomplicarem a mente alheia… ah, e deixar rolar, sem medo, sem peso, sem receio… Será mesmo que ainda não chegou minha hora?
Caio Rubini